O mercado atual é marcado por mudanças constantes e repentinas. A nova dinâmica impõe grandes desafios a superar; e as empresas precisam ser criativas para não ficarem para trás. Uma das formas é apostar nas soluções em Design para alcançar seus objetivos.

É mais comum vermos a ideia de Design associada a um produto ou a uma peça visual. Entretanto, ela também é um processo. Estamos falando sobre usar técnicas para solucionar problemas e gerar demandas e oportunidades. Entenda mais a seguir!

Você sabe o que é o Design Thinking?

O Design Thinking é uma metodologia que prevê encontrar caminhos para diversas situações de forma semelhante a como o designer trabalha. Esse método é um exemplo de soluções em Design. 

Por exemplo, ao invés de pensar em como criar um novo veículo, foque em como resolver problemas de locomoção.

Tirar a atenção exclusiva do produto e trazer para a solução de um problema pode resultar em ideias inovadoras e fora do escopo inicial.

O espírito da coisa é voltar o olhar para a experiência do público, e não se limitar à releitura de uma solução atual.

A ideia é que todo processo aconteça de maneira colaborativa, reunindo diversidade de visões, vivências e ideias. 

Tudo isso vai contribuir para que a equipe consiga desenvolver insights com potencial para se transformarem em resoluções práticas.

Como desenvolver soluções em Design?

O Design Thinking é uma jornada não linear até a resolução de um problema. Ele não precisa ser aplicado a cada etapa e em todos os momentos, mas pode ser fundamental para trazer inovação a momentos-chave.

Seja para elaborar uma nova estratégia comercial, lançar produtos ou serviços ou atender a diversas demandas, usar essa solução em Design pode trazer muitos benefícios à empresa.

Sua instituição deve ter uma cultura organizacional com mentalidade moderna, colaboradores empáticos e abertos ao trabalho colaborativo.

Como cada objetivo terá uma abordagem diferente, existem algumas etapas no processo que precisam ser seguidas para alcançá-los.

Quais são as etapas de criação das soluções em Design?

Para preencher as lacunas e ser certeiro na solução dos problemas, é preciso seguir uma linha composta por cinco etapas: imersão, análise e síntese, ideação, prototipação e desenvolvimento.

O ideal é começar o processo reunindo um grupo heterogêneo de pessoas, com formações, opiniões e visões diferentes. Isso é fundamental para trazer mais riqueza aos insights criados.

Com o time bem montado, podemos tocar o barco!

Imersão: entendendo e contextualizando o problema

Esse é o momento de ter uma visão geral sobre a situação. Experimente, conheça, converse e busque fazer análises de forma macro. Veja os cenários que envolvem a questão abordada, independentemente de serem políticos, econômicos ou sociais.

Levante os objetivos, analise os impeditivos e esclareça todas as dúvidas antes de dar o próximo passo.

Análise e síntese: agrupando dados coletados

Agora é hora de transformar os dados coletados em informações relevantes. Organize tudo em um quadro que facilite a visualização e permita encontrar relações entre os insights e desafios.

Uma boa é montar diagramas de fluxos de ideias para ajudar na compreensão.

Ideação: hora do brainstorming

Nesse momento o foco é usar a criatividade e chegar ao máximo possível de ideias de soluções. Discuta possibilidades e busque pluralidade de caminhos. Mas sem stress, pois esse ainda não é o momento de buscar a resposta ideal. Lembre-se de manter a mente aberta.

Prototipação: validando a eficácia das soluções encontradas

Aqui vamos trabalhar com vários ciclos de trabalho envolvendo testagens, ajustes, retestagens e reajustes. O protótipo é uma representação do produto final que busca testar se o problema foi realmente resolvido.

Ele pode ter formatos variáveis de acordo com a solução encontrada. Pode ser um modelo tridimensional se for um produto, representações de interfaces gráficas em papel se for um software, encenações se for uma experiência de abordagem oral.

O objetivo é tangibilizar a ideia antes de colocá-la no mercado.

Desenvolvimento: colocando a solução em prática

Na última etapa do processo, chega o momento de tirar a ideia do papel e colocar em prática. Aqui você vai entregar a resolução do seu problema, seja um produto, um serviço ou um processo.

Deixe o público experimentar e dar feedbacks. Assim, você terá a noção ideal sobre a eficiência da sua solução.

3 soluções em Design para diferentes segmentos do mercado

Agora que você conheceu um pouco sobre como funciona o método de Design Thinking, que tal ver algumas soluções práticas em diferentes situações? Vamos aos exemplos.

1. GE Healthcare: a máquina de ressonância magnética

A empresa percebeu que suas máquinas de ressonância magnética assustavam crianças e dificultavam a execução dos exames. Após isso, desenvolveu um processo de Design Thinking para resolver esse problema.

Nas etapas de imersão e ideação, o time de profissionais da GE conseguiu entender quais eram os aspectos que incomodavam as crianças e elaboraram um novo produto para elas.

2. Kaiser Permanente: troca de turnos em hospitais

Aqui temos o Design Thinking aplicado a uma solução de processos. A Kaiser Permanente é uma seguradora de saúde norte-americana que buscou uma melhor forma de fazer a troca de turnos de enfermeiras em seus hospitais.

A solução encontrada envolveu um software que mantém atualizadas as informações sobre atualizações do estado do paciente e seus medicamentos.

A troca de turnos também passou a acontecer ao lado das camas dos pacientes, que passaram a ajudar na atualização de informações.

Como resultado, houve 50% de diminuição nos erros envolvendo medicamentos e um aumento na confiança dos pacientes com os profissionais de 33% para 78%.

3. Oral-B: fazer o simples pode ser mais eficiente

A Oral-B planejou lançar um produto que poderíamos classificar como uma smart escova de dentes. A ideia era ter um produto conectado, que captasse dados sobre a escovação e atualizasse o usuário sobre o seu desempenho nesse quesito.

Ao aplicar o Design Thinking, percebeu que essa solução poderia gerar angústia e aumentar a culpa do público em relação à saúde bucal.

Também identificou que os problemas que as pessoas realmente encontravam com escovas elétricas eram de esquecer de carregar e comprar novos refis.

Assim, criou uma escova com carregamento USB e com um sistema que identifica o desgaste das cerdas. O equipamento também comunica por e-mail o momento de trocar o refil. Um produto bem mais simples e eficiente, né?

Percebeu como é possível encontrar diversas soluções em Design para os mais diferentes segmentos do mercado? 

Não importa se o que você busca é uma solução para o público final ou para um público interno. Se é um produto, um serviço ou um processo. O Design traz possibilidades incríveis para encontrar soluções.

Que tal aplicar tudo isso na prática no dia a dia do seu trabalho? Basta se inscrever no curso de extensão em Design Thinking do IED.