O que é estudar? A pergunta parece boba, mas é fato que cada um tem um método próprio de aprendizado.

Alguns assimilam melhor os conteúdos a que são expostos por meio de vídeos; outros precisam anotar os principais pontos do que leu (o famoso resumão) e assim vai.

Por isso, no texto de hoje, você verá um pouco das principais técnicas de estudo disponíveis e qual delas se aplica melhor ao seu estilo. 

O que são técnicas de estudo?

Basicamente, as técnicas de estudo são formas fixas em que as pessoas costumam usar para reter determinados conteúdos em sua mente.

Como dissemos, cada um tem o seu jeito particular de guardar o que aprendeu com o estudo. No entanto, há técnicas que são comprovadamente eficazes e que podem ser somadas às estratégias já utilizadas por você no dia-a-dia. 

Qual é a importância das técnicas de estudo na minha vida? 

A grande vantagem de aplicar técnicas de estudo na sua rotina é que, sem dúvida, você vai assimilar muito mais o conteúdo que antes. 

Além disso, é possível desenvolver outras habilidades, como a oral e a escrita, e aumentar a criatividade, a depender do método utilizado. 

Mais um ponto muito importante é o fato de que implantar técnicas de estudo melhoram e muito a produtividade. Afinal, serão gerados materiais que ficarão disponíveis para consulta posterior, muito útil em momentos específicos, como os de revisão para alguma prova

Quais são as principais técnicas de estudo existentes?

As principais técnicas para estudar são:

  • grifar o texto;
  • releitura do conteúdo;
  • método mnemônico;
  • mapas mentais;
  • resumos e fichamentos;
  • autoexplicação;
  • estudo intercalado;
  • teste prático;
  • prática distribuída;
  • gravações de áudio;
  • técnica Pomodoro;
  • organização do espaço;
  • flashcards.

O guia abaixo vai ajudá-lo a achar a técnica mais adequada de estudo. Lembrando que você não precisa aplicar todas ao mesmo tempo. Vá com calma e tente cada uma até achar o modelo que seja ideal pra você. 

Dito isso, vamos a algumas delas:

1. Mapas mentais

Criado nos anos 1960 pelo consultor inglês Tony Buzan, o mapa mental é um resumo de um determinado assunto, feito quando já se tem um domínio do tema. 

Consiste em resumos com símbolos, cores, setas e frases de efeito com o objetivo de organizar o conteúdo e associar as informações destacadas. 

Um mapa mental reduz, simplifica e seleciona os tópicos mais relevantes como uma representação visual de conceitos e ideias, o que facilita a memorização de informações.

Vale ressaltar que os mapas mentais podem ser feitos à mão ou por sites específicos, como o Mind Map, MindMeister, entre outros.

A principal utilidade deste tipo de técnica é que ela ajuda muito a gerenciar o conhecimento e olhar para o que se aprendeu de maneira rápida e intuitiva. 

2. Prática distribuída

A prática distribuída ocorre quando há a distribuição das horas diárias dedicadas ao estudo. A ideia é dividir o tempo da maneira mais uniforme possível quando se está estudando para evitar cansaço mental. 

Isto é, se serão dedicadas seis horas diárias para estudo, então distribui-se duas horas de estudo matutino, duas horas vespertinas e duas horas noturnas reservadas para estudar.

Uma das vantagens deste método é que, se você estudar uma parte de um conteúdo de manhã e retomá-lo à tarde, por exemplo, as chances de você se lembrar do que viu são grandes. Isso porque o cérebro será forçado a lembrar aquilo que já leu.

3. Pomodoro

A técnica Pomodoro é uma das mais queridas por aí. Ela consiste basicamente em estudar e fazer pausas por tempo determinado. 

Enquanto se está fazendo algo, o intuito é se concentrar o máximo possível no que está fazendo, sem interferências externas. E, na pausa, sair para tomar água, ir ao banheiro e olhar as notificações do celular. 

A fórmula mais conhecida da técnica Pomodoro é aquela com 25 minutos de estudo + 5 minutos de pausa. A partir daí, seguir a rotina de aprendizado e pausa durante o dia. 

4. Autoexplicação

Como o nome sugere, nada mais é do que declarar em voz alta o conteúdo que você acabou de ler a fim de verificar se realmente assimilou o conteúdo ou tem pontos a trabalhar. 

Isso pode ser feito por meio de perguntas referentes à matéria estudada, bem como argumentações para defender o que está sendo dito. Isso ajuda a criar uma linha de raciocínio sobre o assunto, o que consequentemente ajuda no aprendizado.

5. Uso de áudios

Por incrível que pareça, os áudios podem ser excelentes aliados do aprendizado. Logo, um ótimo método de estudo são as gravações de sua voz enquanto estuda. Maluco, não é? Mas pode funcionar.

Outra estratégia eficaz é baixar um audiobook para ouvir conteúdos de livro ou escutar podcasts. A grande vantagem dos áudios é o fato de ficarem armazenados nos celulares, ocuparem pouco espaço interno e poderem ser escutados instantaneamente.

Além disso, estudos apontam que ouvir música durante os estudos ajuda na concentração e na retenção de conteúdos. Claro que, nesse caso, são recomendadas músicas sem letra para que o cérebro não confunda música e teoria. Mas é uma boa pedida para adquirir conhecimento. 

6. Estudo intercalado

O estudo intercalado, por sua vez, é uma técnica na qual o aluno, como sugere o nome, faz um revezamento de assuntos durante o estudo. É possível ver diferentes disciplinas sem se cansar tão rapidamente. 

Neste caso, é desejável que as disciplinas tenham alguma relação para que, em situações nas quais o conteúdo a ser memorizado seja muito longo, as chances de assimilação das informações no cérebro a curto prazo sejam maiores. 

O que fazer antes de adotar uma técnica de estudo?

Como falamos no início do texto, não tenha pressa, pois pode demorar um pouco de tempo até você achar o seu método de estudo ideal. 

Uma estratégia é combinar duas ou três técnicas simultaneamente até você perceber qual (ou quais) é mais a sua cara.

Mas uma dica para você começar é a partir do seu estilo. Isto é, talvez a técnica do áudio não seja tão interessante se você é uma pessoa mais “visual”. Assim como também os mapas mentais podem não ser a sua praia, caso não goste tanto de representações visuais. 

Que ferramentas posso usar para turbinar a minha rotina de estudo?

Depois de tantas técnicas, a dúvida que vem é: por onde eu começo? Calma, vamos trazer as principais plataformas que vão auxiliar você na implementação dos métodos aprendidos até então. Segue a lista.

Google Drive

Uma das plataformas mais utilizadas mundo afora, o Drive é um espaço de armazenamento de arquivos na “nuvem”. Os arquivos criados ficam salvos dentro dele e podem ser acessados a qualquer momento em qualquer dispositivo. 

A coisa mais legal do Drive é a possibilidade de criar arquivos dos mais variados tipos, como planilhas, apresentações e documentos de texto com uso online. E com o bônus de não ocupar o armazenamento interno do computador.

Para usar o Google Drive, claro, basta ter acesso à internet e uma conta de e-mail (geralmente Gmail). É simples e o melhor é que é possível compartilhar os arquivos com quem você quiser, bastando apenas ter o e-mail da pessoa em questão. 

Trello

O Trello é uma referência quando se fala de sites úteis para organização de tarefas e prazos. Isso porque ele tem quadros nos quais dá para anotar o que se precisa fazer com data e hora de conclusão, checklists e separação de lições em matérias.

Nos quadros, é possível anexar arquivos de formatos diferentes (foto, vídeo, PDF, entre outros), o que pode ajudar na melhor compreensão do conteúdo.

Outra funcionalidade do Trello é que, ao concluir uma tarefa, você pode atualizar os cards (quadros) de cada tarefa em diferentes posições (ex.: um projeto que estava na aba ‘pendentes’ vai à aba ‘concluídas’). 

Mais um ponto é que se a sua conta de e-mail estiver sincronizada com o Trello, você receberá notificações para lembrar sobre o cumprimento de determinada tarefa, quando o deadline estiver batendo na porta. Vale muito a pena experimentar!

Evernote

Com o Evernote, dá para fazer anotações enquanto se estuda de uma forma simples. Aliás, não só anotações como resumos, lembretes, comentários de aula e ideias de trabalhos e atividades.

O melhor do Evernote é que é possível sincronizá-lo com os dispositivos que você utiliza, como tablet, smartphone e computador. Assim, você pode acessar os seus resumos de qualquer dispositivo na hora que quiser. 

Pomodor Timer Lite 

Lembra da técnica Pomodoro que falamos há pouco?  Então, com essa ferramenta, você consegue colocar a técnica em prática.

Com uma interface amigável, é possível estabelecer os intervalos de trabalho e pausa de acordo com a sua preferência (tanto o 25+5 como exposto antes, quanto outros prazos que você queira).

Mindmeister

Se você curte diagramas visuais, vai adorar o MindMeister. Como também falamos antes, o Mindmeister é uma excelente ferramenta para fazer mapas mentais.

Gratuita, ela possui modelos prontos para incluir as suas informações, além de um modelo em branco no qual você poderá criar tópicos e subtópicos na quantidade que desejar.

No Mindmeister, é possível utilizar nuvens, balões, linhas e personalizar da forma que quiser, por meio da mudança de cores e elementos de sinalização, como setas.

Para usar a ferramenta, basta se conectar pelo e-mail do Facebook ou do Google e fazer os seus mapas mentais. 

O único ponto negativo é a necessidade de assinar um plano pago para baixar os seus diagramas em PDF. Mas que bom que o print está aí pra nos salvar, não é mesmo? 

Obras indicadas para ajudar nos estudos

É claro que há um mundo vasto de obras que você pode ler para desenvolver as suas estratégias para estudo. Mas seguem algumas indicações para começar a aplicar técnicas para turbinar o seu rendimento:

Já entendi

De Gladys Mariotto, ele é baseado nas vivências pessoais da autora. Ao passar dezoito anos longe da escola, quando ela retomou os estudos viu que teria que desenvolver o próprio método para conseguir seguir adiante.

Por isso, o livro é uma ótima opção por trazer propostas de mudança a partir de experiências reais. 

O poder do hábito

Um dos livros mais conhecidos dos últimos tempos, O poder do hábito traz guias, não só para os estudos, mas para a vida de como a mudança de hábitos nocivos e a implementação de técnicas de disciplina são transformadoras em nosso cotidiano. 

Você sabe estudar? 

Aqui, o autor Cláudio Castro, especialista em educação, traz técnicas para um momento de estudo que traga resultados efetivos. 

São abordados pontos como a obtenção de melhores resultados em provas e trabalhos escolares, como não esquecer o conteúdo estudado, as melhores formas de fazer resumos e mapas mentais e assim por diante. Uma ótima pedida! 

Aprendendo inteligência

O livro mostra de maneira simples que a inteligência não é inata, mas sim desenvolvida com esforço e dedicação. 

A obra mostra alguns dos principais erros cometidos pelos alunos na hora de estudar. Também ensina como fazer um melhor gerenciamento de tempo enquanto se adquire conhecimento.

Aplicando as técnicas de estudo na prática!

Bom, agora que você já está por dentro das técnicas de estudo, que tal começar a usá-las agora mesmo?

O planejador de estudos da IED é uma ferramenta gratuita e que vai ajudá-lo a transformar as suas metas em realidade. Não perca tempo e baixe agora mesmo por este link.