Se você se interessa por Design, é bem provável que já tenha ouvido falar na escala Pantone, não é mesmo? É esse padrão que dita a cor do ano e que ajuda os designers a desenvolverem projetos com resultados mais padronizados e eficientes.

Reunimos, neste artigo, uma série de curiosidades interessantes sobre a escala Pantone. Vamos explicar o que ela é, como surgiu, a sua relevância no universo do Design, exemplos de aplicação, entre outros pontos relevantes.

Quer saber mais sobre a Pantone e como ela pode ser útil na sua carreira como designer? Então, prossiga com a leitura!

Escala Pantone: entenda o que ela e seus códigos significam

Pantone é um termo que significa “todas as cores”, tendo em vista que mescla os termos “pan” e “tom”. 

A escala foi desenvolvida pela empresa de mesmo nome, em 1963. Desde então, vem sendo utilizada como um padrão por todos os profissionais que trabalham com cores.

A Pantone organiza as cores por meio de um sistema com códigos. Dessa forma, cada tonalidade de cor recebe um código, que é representado por uma série de números e letras.

A Aqua Sky, por exemplo, que é uma tonalidade de azul, é representada pelo código Pantone 14-4811. 

Já a mimosa, que é um tom de amarelo, recebe a codificação Pantone 14-0848, entre outros inúmeros exemplos.

A ideia é que os designers usem a escala para que possam ter mais exatidão nos seus projetos.

Imagine, por exemplo, um designer gráfico que está desenvolvendo os cartões de visita de uma empresa  e que precisa ser fiel à identidade visual do negócio ao criar a arte.

Nesse caso, ele pode usar a escala Pantone para saber quais são as cores exatas do padrão da marca para que está trabalhando.

Assim, o profissional cria as artes nos softwares apropriados e evita que a cor impressa não seja exatamente igual à usada no computador. Desse modo, ele segue a identidade visual à risca.

O mesmo vale para um arquiteto que está projetando um ambiente de uma casa, por exemplo. Ele pode definir as cores com base na escala Pantone e levar os códigos até a loja de tintas.

Assim, comprará as tintas exatamente nas cores que imaginou e as paredes da casa do cliente ficarão exatamente como estavam no projeto de arquitetura de interiores.

Mais adiante traremos mais exemplos sobre o uso da escala Pantone no dia a dia dos profissionais.

Um pouco de história: saiba como surgiu a escala Pantone

A escala Pantone surgiu em 1963, criada por Lawrence Herbert. Ele identificou a necessidade que os profissionais do Design tinham para padronizar cores e, a partir disso, desenvolveu o sistema de codificação de tonalidades.

O empresário tinha uma visão de que o espectro de cores é visto e interpretado diferentemente por cada pessoa. 

Por isso, era importante desenvolver um manual, como um leque, que contemplasse todas as tonalidades de forma codificada, para que se mantivesse um padrão.

Herbert desenvolveu a escala Pantone pensando em meios para que as matizes fossem mais amplas. Afinal, existem diversos tons de uma mesma cor e até mesmo mesclas de cores.

O verde, por exemplo, é a mistura do amarelo com o azul. Porém, conforme se misturam mais ou menos de determinada cor, ele pode ser mais escuro ou mais claro.

Por conta disso, a Pantone não é uma escala fixa e imutável. Ou seja, conforme novas cores vão sendo “descobertas”, elas são incluídas na tabela. 

A ideia é que os designers tenham à disposição um esquema dos mais completos, para que possam colocar em prática os seus projetos, utilizando qualquer tonalidade.

Em 2007, a Pantone foi comprada pela empresa X-Rite, líder mundial em equipamentos de calibração e medição. Além dos direitos sobre a escala de cores, a companhia assumiu o compromisso de aprimorá-la constantemente, sempre modernizando o sistema.

A importância da escala Pantone na rotina dos designers e outros profissionais

A Pantone é hoje a escala de cores mais usada em todo o mundo. A empresa estima que já tenha vendido milhões de catálogos com as tonalidades, sem contar as reproduções em meios digitais.

Além dos designers, diversos outros profissionais utilizam a Pantone em seus projetos. Publicitários, arquitetos, decoradores, estilistas, entre tantos outros, são exemplos de trabalhadores que usam a escala em seu dia a dia.

A partir dos anos 2000, pensando em divulgar e ampliar a presença da tabela de cores no mercado, a Pantone começou a investir fortemente em marketing. Desde então, a escala ganhou ainda mais relevância na rotina dos designers e outros profissionais,

Além de fornecer paletas específicas, a companhia também começou a lançar produtos com cores exclusivas da marca. É o caso, por exemplo, de teclados para iPhone, tênis, linhas de maquiagem, louças, entre outros itens.

Todos os produtos da Pantone acompanham o código da cor, para que os usuários saibam sobre qual referência se trata.

A Pantone ganhou tanta relevância no mercado que, atualmente, está ligada até mesmo aos elementos da cultura pop. A indústria do cinema, por exemplo, já fez parcerias exclusivas com a marca.

Em 2010, por exemplo, quando a Universal Studios lançou a animação “Meu malvado favorito”, foi realizada uma parceria com a Pantone. 

A marca desenvolveu a cor amarelo Minion, inspirada nos Minions, personagens do filme que rendeu uma franquia de sucesso no cinema.

Além disso, anualmente, a Pantone lança a cor do ano, movimentando toda a indústria do design. Falaremos mais sobre isso, a seguir!

A cor do ano: a Pantone impactando o mercado, a moda, a arquitetura e o Design

Você já deve ter compreendido que a Pantone impacta diretamente os mercados da moda, da arquitetura, do Design, da publicidade, entre outros, correto?

Uma das ações que fazem com que a Pantone tenha tanto impacto no lançamento de tendências é a definição da cor do ano.

Desde 1999, anualmente, com base em estudos que envolvem os acontecimentos do momento, a Pantone divulga a cor do ano.

Tudo começou como uma estratégia de marketing realizada em 1999, quando a Pantone resolveu lançar a cor do ano 2000, que marcava a chegada de um novo milênio.

Na ocasião, a cor escolhida foi o cerulean, uma tonalidade de azul, que simboliza a tranquilidade e a paz. Como isso era algo que todos esperavam para o novo milênio, a campanha foi um grande sucesso.

Desde então, anualmente, a Pantone realiza eventos para lançar as cores que serão tendências nos próximos anos.

pantone cor do ano

Cores Pantone dos últimos 10 anos (2011-2021)

  • 2021: Ultimate Gray e Illuminating;
  • 2020: Classic Blue;
  • 2019: Living Coral;
  • 2018: Ultra Violet;
  • 2017: Greenery;
  • 2016: Rose Quartz e Serenity;
  • 2015: Marsala;
  • 2014: Radiant  Orchid;
  • 2013: Emerald;
  • 2012: Tangerine Tango;
  • 2011: Honeysuckle.

Em 2021, as cores do ano são Ultimate Grey e Illuminating. São tons de cinza e amarelo que, juntos, representam sentimentos de resistência, moderação e esperança.

A união de cores representa que, para 2021, há a expectativa de que o mundo saia de uma realidade mais escura e pesada para um momento mais iluminado e esperançoso. 

Em um momento em que vivemos o forte combate à pandemia da Covid-19, com as vacinas sendo uma luz no fim do túnel para vencermos essa calamidade global, até que a escolha faz bastante sentido, não é mesmo?

Ou seja, as cores do ano não são escolhidas por acaso ou de forma aleatória. Elas realmente buscam retratar o momento que a sociedade vive a cada ano. Isso ajuda a se consolidar na moda, no mercado, na arquitetura e no universo do Design como um todo.

A aplicação da escala Pantone no dia a dia de um designer

Além da Pantone, outra escala de cores muito comum no meio gráfico é a CMYK, sigla em inglês para Ciano, Magenta, Yellow e BlacK. 

A CMYK é bastante utilizada, tendo em vista que essas são as cores aplicadas nas tintas das impressoras. 

Ou seja, a partir da mistura dessas tonalidades, formam-se todas as demais. Isso faz com que os designers tenham dúvidas sobre como escolher a melhor escala de cores no seu projeto. 

A grande diferença é que a CMYK permite a criação de outras nuances, a partir das suas quatro cores principais. A Pantone, por sua vez, tem um amplo catálogo com todas as tonalidades prontas.

Situações em que o uso da escala Pantone é indicado

Vamos supor que você é um designer gráfico que precisa desenvolver um folder contendo de uma a três cores. Nesse caso, o uso da Pantone é indicado, já que essa escala tornará o processo mais barato e simples de ser realizado.

Além dessa situação, a Pantone também pode ser usada nos momentos em que se deseja inserir nos projetos uma cor especial, que não pode ser representada pela escala CMYK.

Afinal, como comentamos, a Pantone tem um sistema de cores muito amplo, com cores específicas e personalizadas.

Na prática, quando começa a lidar com escalas de cores, o designer desenvolve uma espécie de tino, que indicará quando é mais fácil usar a escala Pantone ou a CMYK em seus projetos.

O papel da Pantone para o branding das grandes marcas

A Pantone é usada pelos designers, principalmente, no momento em que desenvolvem a identidade visual das empresas. Isso porque podem ser escolhidas cores exclusivas, que podem ser até mesmo patenteadas pelas marcas.

É o caso de marcas como a Coca-Cola, o Google, o McDonald’s e a Tiffany & Co. Essas grandes empresas usaram cores da Pantone para desenvolver os seus logotipos e outros elementos gráficos.

As cores foram patenteadas pelas marcas, ou seja, são exclusivas delas. Isso quer dizer que se alguma outra empresa usar exatamente o mesmo tom de vermelho da marca da Coca-Cola, por exemplo, poderá ser penalizada.

A Pantone, portanto, ajuda as grandes empresas a desenvolver as suas estratégias de branding, que é o processo de tornar as marcas reconhecidas na mente dos consumidores.

O vermelho da Coca-Cola, por exemplo, é facilmente identificado pelos usuários. Dessa forma, rapidamente uma pessoa que passa por um shopping em que está sendo realizada uma ação publicitária da marca, por exemplo, entende rapidamente sobre o que se trata.

O mesmo vale para quando a Coca-Cola lança um novo produto no mercado. Sabemos que além dos refrigerantes, atualmente, a marca vai bem mais além. Tem até uma grife de roupas e calçados, por exemplo. Logo, essas peças também são identificadas pela cor.

Tudo isso só é possível graças à Pantone! Se a cor não fosse padronizada e em cada material a Coca-Cola usasse um tom diferente de vermelho, a marca não seria tão forte e reconhecida como é.

Viu como a Pantone é importante para quem deseja trabalhar no mercado do Design? Por isso, vale a pena aprender sobre essa escala, caso você tenha a pretensão de seguir carreira nessa área.

E, para que você possa ficar por dentro do que está em alta para usar no processo criativo, elaboramos um material com as tendências para o futuro do Design Gráfico. Baixe agora mesmo! Temos a certeza de que ele será muito útil para você!