Você pode até não saber o que é motion design, mas é bem provável que tenha acesso a esse tipo de trabalho diariamente. Isso porque a técnica é usada nos créditos iniciais dos filmes e séries, em videoclipes, nas vinhetas de canais no YouTube e de programas de TV etc.

Em resumo, podemos afirmar que, se há elementos gráficos se movendo em uma tela, foi aplicado o motion design. Ainda tem dúvidas sobre o assunto? Não se preocupe! Vamos explicar tudo neste artigo!

A seguir, explicaremos o que é o motion design, o que esse profissional faz e quais são as suas diferenças em relação ao motion graphics e a animação tradicional.

Também vamos trazer alguns exemplos de ferramentas usadas no trabalho dos motions designers.

Pronto para aprender sobre tudo isso? Então, prossiga com a leitura!

Motion design: entenda agora qual é a ideia desse conceito

Podemos definir motion design como um recurso que dá vida ao design gráfico, por meio dos recursos de animação e usando uma linguagem que mistura os conceitos do Design com o cinema.

Assim sendo, o motion design é uma técnica que utiliza vários elementos, como ícones, textos e formas geométricas com princípios de animação, cinema e vídeo, o que resulta em um recurso bastante atrativo.

Apesar de ter ganhado impulso com as novas tecnologias de áudio e vídeo, o motion design não é algo tão recente. A técnica surgiu ainda no século XIX, criada por Georges Mélièes, considerado o pai dos efeitos especiais.

Cada vez mais o motion design vem sendo usado em produções culturais e na publicidade. É bem comum vermos a técnica sendo aplicada em filmes, comerciais, vinhetas, propagandas etc.

Quer ver um exemplo prático? Então, assista ao vídeoclipe da música “That’s What I Like”, do cantor Bruno Mars. 

No vídeo, elementos de motion design interagem o tempo todo com o cantor, resultando em um trabalho bem divertido e que capta o espírito da letra da música. Os desenhos aparecem enquanto Bruno dança e vão ajudando a contar a história que se deseja passar.

Na indústria fonográfica brasileira, o motion design também já foi explorado. É bem provável que você já tenha assistido o vídeo de “Bang”, da Anitta, não é mesmo?

A ideia é bem similar ao vídeo do Bruno Mars. Nesse caso, o videoclipe traz Anitta e suas bailarinas em um fundo com elementos em preto e branco. O motion design é aplicado por meio de recursos de desenho coloridos, que interagem com a cantora.

Saiba o que faz um motion designer e como o seu trabalho é aplicado

Para que os motions designs ganhem vida, existe um profissional por trás disso, o motion designer. Geralmente, essa pessoa é formada em Design Gráfico e especializada na produção de audiovisual.

O trabalho do motion designer consiste em desenvolver as suas habilidades artísticas e criativas para criar projetos em que os elementos gráficos ganham vida e animação.

O  processo criativo varia de profissional para profissional. Geralmente, tudo tem início no papel (ou na tela do computador) com os desenhos feitos em 2D.

A partir disso, se cria um storyboard que é algo parecido com uma história em quadrinhos, mostrando detalhadamente o que acontecerá em cada cena de um filme, até formar um fluxo narrativo.

O storytelling origina moodboards e style frames, que ajudam a formar o motion design nas etapas de animação e produção.

Em suma, os motion designers são os profissionais que dão vida aos elementos gráficos, usando os efeitos de animação.

No que se refere a ganhos financeiros, é difícil estipular quanto ganha um motion designer. Isso varia muito de acordo com a região e os projetos em que o profissional trabalha.

Porém, de acordo com um levantamento do portal Vagas, um motion designer iniciante formado em uma faculdade de Design Gráfico pode alcançar ganhos de R$5.000,00 ou mais.

Estilos de motion design: veja agora quais são os principais

Existem muitos tipos de motion design, que podem ser usados de acordo com as particularidades de cada projeto. A seguir, falaremos brevemente dos que mais são utilizados atualmente. Prossiga com a leitura!

Estilo 3D

O motion design em 3D é composto por imagens que transmitem uma ideia de profundidade, se aproximando da realidade de quem assiste a um vídeo.

Para produzir um vídeo nesse estilo, o motion designer deve criar efeitos a partir de sombras, reflexos, pontos de fuga, iluminação e texturas.

Flat Design

Diferentemente do estilo 3D, o flat design não trabalha com efeitos de sombra, luz e profundidade.

Esse estilo tem uma pegada mais minimalista e geralmente as animações se desenvolvem em um plano chapado.

Whiteboard Animation

Muito usada para produzir vídeos para a área da educação, a técnica da whiteboard animation consiste em reproduzir um quadro branco, como se fosse uma lousa de escola.

Nesse quadro, são trabalhados desenhos e textos que explicam conceitos de forma criativa e divertida, unindo o aprendizado ao lúdico.

Corporativo

O motion design corporativo é bastante usado em vídeos institucionais de empresas, bem como na publicidade.

Essa técnica pode ser usada, inclusive, combinada a recursos sonoros e outros itens para gerar identificação nos usuários.

Quer um exemplo prático? Então, é só lembrar da vinheta da Netflix, usada antes de iniciar um filme ou série original da plataforma de streaming.

Sempre que você assiste esses elementos que formam a letra N, com a tradicional identidade sonora, já sabe que vai começar uma produção original Netflix, não é mesmo?

Motion design X motion graphics: entenda quais são as diferenças

Se você pesquisar sobre motion design, é bem provável que também encontre muita coisa sobre motion graphics. Muitas vezes os termos são usados como sinônimos, mas eles não são exatamente a mesma coisa.

Motion design é uma nomenclatura que ganhou popularidade nos últimos anos, para algo que até então era chamado de motion graphics, termo que acabou sendo usado para definir as intervenções mais simples.

Ficou confuso? É bem normal que isso aconteça, dada a similaridade dos conceitos. Por isso, vamos observar alguns exemplos.

Lembra quando falamos dos clipes do Bruno Mars e da Anitta? Ali temos exemplos práticos de motion design, que são elementos gráficos, como letras e desenhos em movimentos.

Os motion graphics, por sua vez, são mais “tradicionais”, digamos assim. São elementos mais simples, como letreiros que mostram o nome dos atores e profissionais que trabalharam em um filme, enquanto rolam as cenas iniciais, sabe?

Outro exemplo de motion graphics são os nomes dos profissionais mostrados no encerramento de programas de TV, como você pode ver no vídeo abaixo, que mostra os minutos finais de uma edição do “Jornal Nacional”, da rede Globo.

Ou seja, os motions designs são desenhos e grafismos com “vida própria”, enquanto os motion graphics são mais estáticos e informativos, não interagindo com a cena em si, mas apenas servindo como uma fonte de informação para quem assiste o vídeo.

Motion design X animação tradicional: veja no que os conceitos se diferem

Motion design também é diferente de animação! As animações são uma sequência de desenhos exibidos a uma velocidade tão grande que faz com que o nosso cérebro seja “enganado”, de modo que temos a sensação de movimento.

Os desenhos animados que assistíamos quando éramos crianças (e até hoje) são exemplos de animação. 

No vídeo abaixo, produzido pelo Cartoon Network, você pode ver um exemplo desse tipo de produção, que é a animação da Turma da Mônica:

Assim como o motion design, as animações têm evoluído muito e sendo cada vez mais usadas em campanhas publicitárias, peças de marketing de conteúdo e produções da cultura pop.

Também é possível mesclar cenas reais com animações, mas nesse caso não há interação direta como acontece no motion design. Um exemplo disso pode ser visto no clipe da música “Rajadão”, da Pabllo Vittar. 

No vídeo, a cantora é “transportada” para um universo de desenho animado, iniciando uma animação que ilustra a letra da canção.

Veja 4 ferramentas usadas para desenvolver o motion design

Existem vários programas e ferramentas que podem ser usados para desenvolver motion design. Na sequência, serão apresentados alguns dos principais deles. Confira!

1. Adobe After Effects

O Adobe After Effects é um dos melhores programas para desenvolver projetos de motion design. Ele é bem completo e conta com recursos avançados para fazer efeitos visuais variados e animações.

Uma das principais vantagens do Adobe After Effects é o fato do programa permitir a integração de plugins que ampliam os recursos disponíveis, de acordo com a necessidade do usuário.

2. Adobe Illustrator

Também da Adobe, o Illustrator é um programa que serve para criar vetores, ou seja, as representações das imagens em computação gráfica.

Por meio do Illustrator, você pode criar personagens, cenários, grafismos, entre outros elementos para um peça de motion design.

Vale lembrar que, por ser um programa Adobe, o Illustrator “conversa” bem com o After Effects. Ou seja, você pode criar vetores em um programa apropriado para isso e depois importá-lo para o outro, onde ocorre a edição em si.

3. Adobe Photoshop

Sim, o Photoshop também é usado para a criação de motions design. Isso porque, entre outras funcionalidades do programa, é possível manipular pixels de imagens e recortá-las com perfeição.

Além disso, o Adobe Photoshop também permite a organização dos arquivos em camadas, o que é muito útil para criar artes vetoriais que, mais tarde, serão animadas.

A ideia é que o Photoshop seja usado como um complemento para o After Effects. Da mesma forma que ocorre com o Illustrator, algo iniciado nesse software pode ser importado para  o outro.

4. Moho

Saindo um pouco dos programas da Adobe, temos o Moho, cujo objetivo é servir como um estúdio para criação de animes.

No entanto, os usuários começaram a aproveitar os recursos avançados do software para outras atividades, que vão além da criação da animação japonesa.

O Moho oferece um sistema completo, que permite a realização de um trabalho quadro a quadro, o que é ideal para o motion design. 

Além disso, ele importa arquivos do Illustrator e do Photoshop, sem qualquer dificuldade, mesmo não sendo um software da Adobe. Outro recurso interessante é a modelagem 3D, que pode ser explorada pelo usuário.

E então, gostou de aprender mais sobre o motion design? Sem dúvida, essa é uma carreira que está em ascensão no mercado e você poderá ter uma trajetória bem sucedida, caso aposte e se dedique nessa área. Basta estudar e se preparar bem para isso!

Para começar, que tal baixar o nosso material com um passo a passo para ser um designer de sucesso? Temos a certeza de que ele trará bons insights para a sua carreira.