O Design está por todas as partes: nos móveis, construções, roupas, sapatos, embalagens, tecnologias, entre tantas outras coisas.

Desde que o conceito nasceu, ele foi ganhando novos ramos e acompanhando as transformações do mundo. Tanto é que hoje existem diversas segmentações dentro do Design.

Você se interessa pelo o assunto e quer saber mais? Então dá uma olhada nos tópicos que vamos abordar aqui no post:

  • origem do Design;
  • o que é Design;
  • a importância do Design;
  • áreas do Design;
  • como o Design afeta o nosso cotidiano.

Venha com a gente!

Tenha uma experiência diferente com os conteúdos do blog 100% Design. Experimente a versão narrada do nosso conteúdo. Basta dar um play abaixo ou fazer o download para ouvir offline!

De onde veio o termo?

Apesar de ser uma palavra inglesa, “Design” passou a fazer parte do nosso dicionário e até do vocabulário do dia a dia. 

Quantas vezes você não ouviu alguém dizer que tal coisa tem um Design inovador, moderno, funcional?

Quando usado como verbo em inglês, o termo quer dizer conceber, desenhar, desenvolver, projetar. E a ideia que a gente tem do seu significado atual está ligada ao contexto da Revolução Industrial na Inglaterra do século XVIII.

Naquela época, para acompanhar o avanço da produção industrial, foram criadas as Schools of Design. 

Por conta delas, a expressão ficou associada a uma atividade específica do desenvolvimento de produtos.

O que é Design?

Basicamente, o Design é responsável pela melhoria de um produto, sempre levando em conta as necessidades dos consumidores ou usuários.

Por isso, precisa se basear em aspectos, tanto visuais como funcionais. Dependendo da função do produto, a forma ajuda a trazer mais conforto, segurança, ergonomia e satisfação.

Vale deixar claro que o Design é um conceito muito diverso. Por isso, não tem uma única definição sobre o termo.

No nosso blog, vamos apresentar várias das possibilidades que a carreira oferece.

Funcionalidade e estilo

Na visão do Design, um produto não pode ser visualmente maravilhoso e não ser funcional; assim como não basta ser funcional se não tiver uma forma agradável.

Isso faz com que a gente possa dizer que funcionalidade e estilo devem sempre andar de mãos dadas. É assim que o Design se manifesta.

Inclusive, o conceito nasceu com o propósito de desenvolver produtos cada vez melhores e, ao mesmo tempo, atrativos. 

Tanto é que, se você parar para pensar, a gente costuma associar Design a objetos de alta qualidade e bom-gosto, não é verdade?

Por esse motivo, não dá julgar o Design de um sofá, por exemplo, só de olhar para ele. É preciso usar o móvel e deixar os outros sentidos fazerem parte do jogo. 

Expressão de identidades

Você também já deve ter ouvido por aí as pessoas associando o Design com a cultura de um país. Por exemplo: Design japonês, americano, alemão, italiano.

É o que genericamente costuma ser chamado de “estilo”.

Tanto a forma quanto a priorização de certas funcionalidades dizem muito sobre a identidade de quem fez. Muitas vezes a gente bate o olho em um objeto, lembra de um país ou região e nem sabe por quê.

Algo parecido acontece com o estilo dos profissionais. Por usarem suas produções como meio de se expressar, as formas, cores e desenhos passam a fazer parte da própria identidade deles.

Design - carreiraQual é a importância do Design?

Como já deve ter ficado claro, o Design vai muito além do visual.

Por dar utilidade, funcionalidade e qualidade para os produtos, vários setores não funcionam sem ele. 

Se o Design não existisse, as marcas não poderiam oferecer o que oferecem hoje. As pessoas também não poderiam consumir muito do que consomem desde que a industrialização começou.

Ou seja, não dá para subestimar a importância do Design, nem para as marcas e nem para os consumidores.

Inovação

O Design também é fundamental para a inovação. Nos dias de hoje, quem não inova corre o risco de não sobreviver no mercado. 

Seja na hora de melhorar o que já existe ou criar um novo produto, o Design abre caminhos diferentes. E os designers estão acostumados a explorar possibilidades inéditas, pois essa é a natureza do trabalho deles.

Valor agregado

Quando uma empresa quer fazer um produto top de linha, o Design funciona como uma das suas ferramentas mais poderosas, sabia?

Na real, o que os designers fazem é usar as referências estéticas para aprimorar funções e também para projetar conceitos e significados em um produto.

Com isso, eles conseguem trazer diferenciais para o produto, fazendo com que ele ganhe mais valor e se destaque entre os concorrentes.

Bem-estar

Além disso, ao oferecer uma experiência positiva, o Design promove o bem-estar. 

Quando um produto não cumpre bem sua função, causa um incômodo visual ou é difícil de ser usado, fica mais fácil entender a importância do trabalho dos designers. 

Nem sempre a gente se dá conta de todo o esforço que os profissionais colocam na criação de um produto. No entanto, é um processo longo. 

Para criar uma peça de roupa, por exemplo, o designer de moda precisa pensar em quem vai usar, em quais ocasiões, com que finalidade. 

A partir disso, desenha a peça e escolhe o tecido e os acabamentos ideais – etapa que depende de outros players da cadeia de moda.

Conheça 3 grandes áreas do Design

1. Design de Produto

Chamado também de Design Industrial, o Design de Produto é a área em que tudo começou. 

Envolve, principalmente, atividades de produção de bens de consumo, criando objetos tridimensionais para várias indústrias.

Se você quiser trabalhar com isso, vai precisar conhecer não só as técnicas quanto também questões que vão moldar o futuro, como:

  • empatia com o usuário e os seus desejos;
  • interações homem-máquina;
  • internet das coisas (IoT);
  • funcionamento da cadeia de valor;
  • e novos modelos de negócio.

As formas de produzir e consumir estão se transformando. E o designer precisa estar preparado para abrir novos caminhos.

O que fazem os designers de produto?

Um designer de produto é quem idealiza, elabora e desenvolve carros, aparelhos eletrônicos, utensílios, embalagens, eletrodomésticos, móveis, ferramentas, etc.

Motores e máquinas para o setor de bens de capital também são projetados por esses profissionais. Também podem criar equipamentos voltados para a área da saúde e segurança.

Sempre, é claro, pensando no visual, funcionalidade e ergonomia dos objetos. 

Para isso, precisam ser ótimos observadores do comportamento humano. Afinal, essa compreensão é necessária para o desenvolvimento de soluções criativas.

Hoje os designers de produto deve ser inovadores para não ficarem limitados, achando que atender às necessidades dos consumidores é o suficiente.

E essa inovação pode ser expressa por meio da beleza, praticidade e até por preocupações na escolha de materiais e nas etapas do processo produtivo.

Mercado de trabalho

Quem se forma na área encontra oportunidades em diversos setores, como na indústria de bens de consumo, automotiva, eletroeletrônicos, móveis, entre outras.

Também é possível trabalhar como consultor em escritórios de Design e até como autônomo, criando projetos para empresas, setor público e outras organizações.

Design de Produto2. Design Gráfico

O Design Gráfico costuma ser lembrado pelos logotipos de marcas, folhetos, cartazes, cartões de visita e tantos outros materiais de papelaria usados pelas empresas.

Mas com o passar do tempo, a área teve que se adaptar à nova realidade. Hoje ela também engloba o digital, ampliando o campo de atuação dos designers gráficos.

Nessa transição, os profissionais tiveram que ir além das interfaces gráficas e começar a trabalhar também com as digitais. Para isso, o conhecimento de diferentes linguagens se tornou fundamental.

O que fazem os designers gráficos?

Entre as atividades mais comuns, estão o desenvolvimento de projetos gráficos, criação de identidade visual para marcas e peças de comunicação.

Todas elas dependem de habilidades criativas e do domínio de técnicas de tipografia, ilustração, fotografia, editoração e diversos softwares.

Quem atua no digital desenvolve a parte visual de sites, programas de computador, aplicativos e jogos. Além de saber usar as tecnologias necessárias, os designers precisam entender muito bem sobre comportamento e experiência do usuário.

Mercado de trabalho

Se você pensa em trabalhar na área, saiba que as possibilidades de atuação vão depender dos seus interesses. É possível encontrar trabalho, por exemplo, em:

  • Design editorial;
  • sinalização de ambientes;
  • direção de arte;
  • ilustração;
  • Design de interfaces;
  • identidade visual;
  • branding.

Os empregos podem estar tanto em grandes empresas quanto em agências de comunicação, estúdios e editoras. Outra opção é ser empreendedor e abrir o próprio negócio.

3. Design de Moda

Comparado aos outros, o Design de Moda talvez seja o mais fácil de entender por estar focado em um único mercado. Porém, não pense que a área trabalha só com a criação de coleções. 

O mercado de moda também tem outras demandas específicas em modelagem, pesquisa de tendências, empreendedorismo, desenvolvimento de novos materiais, texturas, estampas.

Por isso, é importante que os profissionais tenham uma visão do todo, entendam como funciona e quais são as reais necessidades da cadeia produtiva e dos negócios de moda.

O que fazem os designers de moda?

É normal a gente logo pensar em grandes nomes do mercado, que geralmente são os estilistas. Ou seja, os responsáveis por desenhar as peças e criarem as coleções para diversos públicos.

Mas os apaixonados por moda também podem ter outras funções dentro das marcas. Uma delas é a produção de moda, em que o profissional cuida de eventos, desfiles e campanhas. Há ainda os modelistas, que criam os moldes das roupas.

Os designers de moda ainda conseguem explorar outros ramos. Podem trabalhar como caçadores de tendências, figurinistas, assessores de estilo e personal stylist.

Mercado de trabalho

Levando em conta as possibilidades do mundo da moda, os designers podem atuar em:

  • marcas de roupa, sapato e acessórios;
  • indústria têxtil;
  • consultorias de estilo;
  • cinema;
  • teatro;
  • televisão;
  • institutos de pesquisa.

Como o Design afeta a vida das pessoas

A criação de um objeto bonito e funcional passa por várias etapas, seja lá qual for o setor.

De um insight, incômodo ou necessidade, nasce uma ideia. Depois, ela precisa ser tirada do papel, desenhada, elaborada, aperfeiçoada.

Então, nasce um projeto. Mas, até ele chegar na mão das pessoas, muita pesquisa, testes e experimentações são feitos. Isso se aplica às roupas, aparelhos eletrônicos, sites, móveis, livros e uma infinidade de coisas.

A partir de todo esse trabalho, o Design supre as nossas necessidades e expectativas em vários aspectos. 

Mais do que isso, ele afeta o jeito como a gente interage com o mundo, marcando a vida das pessoas positivamente.

Usando o poder da conexão

Já experimentou a sensação de olhar para um produto e achar que ele tem a sua cara? 

Pois é, agradeça aos designers por isso.

Ao se identificar com um produto, você cria uma conexão especial com ele. Ou seja, é um jeito diferente de consumir, que supera a satisfação das necessidades.

Por mais que a gente não se dê conta, essa conexão proporciona novas experiências no nosso cotidiano.

Quando um objeto remete a uma memória afetiva, por exemplo, você se envolve emocionalmente com ele.

Portanto, o Design é capaz tanto de melhorar o mundo físico e a qualidade de vida das pessoas quanto de proporcionar experiências especiais. 

Uma responsabilidade recompensadora, não acha?

Transmitindo mensagens

Conhecendo os costumes, comportamento e preferências dos consumidores, o Design se transforma em um meio de comunicação, ainda que inconsciente.

Ao escolherem tipografias e fontes específicas, os designers conseguem afetar nossa percepção. Mesmo que não pareça nada demais, a linguagem visual, cores e imagens influenciam a nossa relação com as marcas que consumimos.

Já no universo digital, as mensagens que os designers passam por meio dos elementos visuais afetam o engajamento do usuário com sites, redes sociais, jogos e apps. É assim que as pessoas se mantêm conectadas.

Só de ter uma noção dos efeitos, fica impossível negar a importância do Design na vida das pessoas. É até difícil imaginar como o mundo seria sem ele.

Design: e aí, o que achou da área?

Se você curte a ideia de entregar a melhor experiência possível por meio das suas criações, é um sinal de que você pode se dar bem no Design.

Estamos falando de uma área muito ampla, então são várias possibilidades para quem mergulha de cabeça nela — inclusive, não dá pra citar tudo o que a profissão oferece em só um conteúdo.

Mas, para ter certeza sobre essa escolha, vale a pena ficar por dentro do que está rolando na área.

Quer acompanhar as novidades? Então assine a newsletter do IED para receber conteúdos sobre o mercado de trabalho e a vida dos estudantes de Design!